Eficácia no controle de Salmonella envolve aditivos naturais e boas práticas de manejo

Especialista da Biomin destaca disciplina e organização como fatores essenciais no controle de Salmonella spp. em granjas de frangos de corte

Quando o assunto é o controle de Salmonella, existem muitas variáveis a levar em consideração, o que torna seu manejo complexo. A atuação conjunta de todas os elos da cadeia avícola é fundamental, porque todos estão suscetíveis à contaminação, em maior ou menor grau. No Brasil, a legislação permite até 20% de positividade para Salmonella spp nas carcaças de frangos e o mesmo acontece nos Estados Unidos.

“A legislação da União Europeia é mais exigente: nenhuma amostra pode ser positiva para Salmonella. Assim, as empresas brasileiras que exportam para mercados mais rígidos, como o da União Europeia, enfrentam grande pressão para o controle da bactéria”, explica Christiane Matias, gerente técnico-comercial da Biomin.

Uma granja de frangos, após ser contaminada, só volta a ser segura para a produção quando o resultado da análise das coletas de ambiente (pré-alojamento) é negativo. A especialista ainda alerta que a detecção de Salmonella é difícil e podem acontecer resultados falsos negativos se a coleta não for bem planejada e executada. “Mesmo com o resultado negativo das instalações antes do alojamento, a atenção precisa ser redobrada para que não ocorra uma recontaminação da granja”, destaca Christiane.

Os aditivos nutricionais são ferramentas importantes que atuam na melhoria da qualidade intestinal, dificultando a colonização por bactérias patogênicas. Na avicultura, os mais utilizados são os probióticos, prebióticos, simbióticos, ácidos orgânicos e aditivos fitogênicos. “Os aditivos simbióticos são uma mistura de probióticos e prebióticos. Os probióticos são microrganismos vivos que, quando fornecidos na forma e quantidades adequadas, têm a capacidade de potencializar a resposta imune, reduzir a carga de bactérias patogênicas, estimular a colonização por uma microbiota benéfica e estimular a digestão. Já os prebióticos são ingredientes não digestíveis que estimulam seletivamente o crescimento ou a atividade de bactérias potencialmente benéficas no intestino.  O uso destes dois produtos promove efeito sinérgico e positivo para o hospedeiro”, detalha.

Outro exemplo de grande eficácia são os fitogênicos, que incluem as plantas aromáticas (ervas), extratos de plantas e óleos essenciais. “Esses aditivos possuem capacidade de modular a resposta imune e a microbiota intestinal, com efeitos antimicrobianos contra bactérias patogênicas”, esclarece a gerente.

Entre as ações a serem implementadas na produção, Christiane cita algumas atividades importantes para granjas de frangos de corte, como o uso de pedilúvio, uniformes limpos, controle de roedores e insetos, queima de penas, fermentação da cama com lona e uso de cal virgem, entre outras medidas estratégicas de biosseguridade.

“O controle envolve desde o rigor com matérias-primas na fábrica de ração até o abatedouro, que pode amplificar a contaminação. No caso de ovos provenientes de matrizes positivas é fundamental incubá-los separadamente. Já o período de vazio sanitário dos frangos deve ser muito bem planejado, com foco no tratamento da cama dos aviários. Este último deve ser encarado como um capítulo à parte da criação de frangos. Esse tratamento deve ser feito de forma planejada e com muita disciplina”, conclui Christiane Matias.

Ana Lívia Lopes –  www.textoassessoria.com.br

Posts recentes

Categorias

http://cerradopost.com/blogkonjuntura/

Redes Sociais!

Assinar!

Share On Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons