Comitê da ONU deve julgar perseguição política a Lula em março

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregaram na quinta-feira (21) a última manifestação ao Comitê de Direitos Humanos da ONU.

Nela, Lula afirma que Sergio Moro pôs em dúvida a afirmação do Brasil de que, quando juiz, agiu com isenção, ao aceitar o convite de Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça.

A defesa rebateu alegações do governo brasileiro ao organismo internacional. A peça apresentada ao Comitê pelo governo afirma que o petista pretende “confundir e enganar” o colegiado ao apontar direcionamento da Justiça e diz que a alegação de perseguição política “é uma afronta às instituições”. O texto sustenta que a acusação de parcialidade de Moro é infundada.

O processo agora está pronto para julgamento. A expectativa é a de que o caso seja incluído na pauta do colegiado do mês de março.

Os advogados de Lula também dizem que o ex-presidente foi tratado com “cruel mesquinhez” pelo Estado brasileiro. Eles listaram sentenças que negaram pedidos para ele sair temporariamente da prisão, como para velar o irmão Vavá no fim de janeiro.

Dezoito juízes de diferentes nacionalidades vão analisar o caso.

Por Revista Fórum

Lula nos braços do povo sem aramações!!!

Duas entrevistas, 27 anos de diferença. O mesmo Lula, antes e depois da Presidência

Posts recentes

Categorias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons